quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Eleições terminadas

Parabéns a Obama!!

A esperança estava lá, apesar de me manter muito céptica até ao final. É que errar uma vez, compreende-se... mas não aprender com os erros já é sinal de burrice (e 2 mandatos do Bush, é a prova). Será que os americanos finalmente estão a evoluir e a ficar menos broncos? Espero que sim. Ou talvez foi apenas o facto de Obama ser negro o que motivou muita gente a votar nele, para se "fazer história". Porque caso contrário, seria apenas um candidato branco, novo (ou inexperiente como muita gente lhe chamou), e com ideias de construção e união que vão contra toda a política de Bush (e McCain), tão "amada" pelo "povinho". De uma maneira ou de outra, e independentemente da cor da pele, estou contente pela vitória.

Está na altura de viajar em direcção a um mundo melhor.
A ver vamos...

7 comentários:

C NARCISO disse...

Olá! Hoje estou a visitar blogs e, estou triste! Porquê? Porque o tema deste seu post é quase geral. Infelizmente os EUA são influentes no mundo mas, só o são pq os diferentes povos e países lhes dão essa importância. Há tanta coisa no país e no mundo para retratar....
Desculpe o desabafo.. Depois de ver dezenas de posts com o mesmo tema "desaguei" aqui.
Acredite numa coisa: temos pouco a aprender com esse país; se é que temos alguma coisa a aprender.
Força no Blog!

Vera disse...

Obrigada pela visita e pelo comentário :)

Quer gostemos ou não, é inegável a influência que os EUA têm no mundo. E não me parece que a relação causa-efeito seja essa que diz. Os diferentes povos dão-lhe importância porque de facto eles têm poder, seja na forma de dinheiro, seja na forma dos tentáculos de relações e negócios geridos por eles. Inevitavelmente existem sempre nações mais poderosas que outras. A questão é que está na hora desse poder, ser usado de uma maneira produtiva e não de acordo com interesses individuais. E se até agora, realmente, não se aprendeu nada de positivo com esse país, talvez não seja assim tão desprovido de importância o tipo de pessoa que põem na sua presidência. Nunca é tarde para mudar...

C NARCISO disse...

1º.- Respeito a sua opinião;
2º.- Quanto à importância dos EUA- na minha opinião, EUA é uma marca que vende. ponto. A importÂncia deles é muito relativa; há muitas e grandes empresas que são de estrangeiros (japoneses, por exemplo, entre outros). Não há dúvida que eles (americanos) aparentam ser muito fortes mas, se os países do mundo deixassem de usar o dólar e de os "ajudar" em determinadas tarefas, o seu verdadeiro poder viria à tona. Não passam de um país arrogante e grande com muito poderio militar. (uma ideia: se todos os países do mundo lhes fizessem boicote como foi feito a Cuba, o que seria dos EUA...)
Quanto ao recém-eleito.......... sejamos realistas; até pode ser boa pessoa e bem intencionado mas, os "lobis" estão instalados e são eles que "gerem/dominam" um país. E os EUA são mttt férteis em "lobis". A campanha do Obama foi a mais cara de sempre; alguém pagou- alguém vai "exigir". O Presidente é muito um "fantoche". Veja um exemplo: na tropa quem manda mais? certamente dirá que é um General; eu digo que é um Sargento.
Quanto ao resto (EUA, mundo), vamos aguardar e ver.......

Patrícia disse...

Olá Vera
Acho que o grande parte do mundo sorriu com esta vitória. Mais que tudo foi uma vitória da esperança.
Quer queiramos quer não, esta eleição influencia-nos a todos. Não interessa o porquê do Poder dos USA, interessa que o têm e que o usam. Prova disso é esta crise que vivemos e que teve origem precisamente lá. A Europa nunca se quis assumir como lider. Talvez esta união que agora existe posso mudar esta situação...
beijinhos
pat

C NARCISO disse...

Olá Patricia.
Desculpe meter conversa mas, tenho umas palavrinhas a dizer.Sobre a importância dos EUA... pouco há a dizer; sobre a crise que lá teve origem: outro dia falava com uma pessoa que é cônjuge de um alto funcionário do Millenium BCP e o que se comenta lá é que os EUA fizeram esta crise deliberadamente, precisamente para combater a Europa e o Euro. Sabe que mais? Eu acreditei logo! Acho que são bem capazes disso. Eles não olham a meios para atingir os fins. Segundo alguns analistas, eles sairão da "alegada" crise em pouco tempo e na Europa há países com "feridas" muito graves e bem difíceis de recuperar. Que sirva de lição para os líderes europeus e do mundo. Talvez o H. Chavez tenha alguma razão ao dizer para se criarem novos "grupos".

Vera disse...

Bem, só alguém com poder é que, de facto, pode criar uma crise deliberadamente, certo? O problema é que a ideia de um boicote aos EUA, é completamente utópica e impossível. Se o ppl não é capaz de se juntar para não abastecer na GALP durante um dia, como é que o mundo se vai organizar para "combater" um poder do qual está dependente?
Penso que a solução apenas pode surgir quando começar a haver um consenso e uma união, em vez de guerras e discórdias que só trazem cada vez mais problemas. Será talvez uma visão simplista e naif das coisas, tendo em conta que o dinheiro e os interesses para benefício próprio é que regem o mundo. Mas se calhar, quando as nações mais poderosas começarem a ser lideradas por pessoas com bom senso, a situação possa enfim melhorar.

C NARCISO disse...

Olá Vera! Creio que o rude golpe desferido à economia europeia (e não só) mudará a forma como os políticos encararão no futuro os investimentos nos EUA. Acho que é uma lição aprendida e que mudarão os procedimentos...