terça-feira, 5 de outubro de 2010

Acordo ortográfico

Num contexto de crise, em que cada vez mais há uma despersonalização de Portugal, há uns dias tive o meu primeiro contacto com o acordo ortográfico. É raro ter tempo/paciência para ler revistas ou jornais, e até para ver televisão, e se calhar por isso ainda não me tinha dado conta. Nunca fui a favor do acordo, mas não era nada que não se estivesse à espera, num país em que não tarda nada e oferecem diplomas de final de curso sem que o aluno tenha feito alguma vez um único exame, e em que, portanto, se investe entusiasticamente na burrice geral (talvez para que os chicos espertos consigam cada vez mais fazer o que lhes dá na real gana).

No outro dia pus-me a ler a Visão... e foi uma sensação estranhíssima. Parecia que estava a ler em "brasileiro". A partir daí reparei que as "novas palavras" estão em todo o lado. É a obrigação do povo "português" de mostra-las, com orgulho, nos jornais, nos rodapés da TV... Imagino as vezes que se "enganam" e voltam atrás para apagar aquelas letrinhas que agora de repente passaram a estar a mais... De facto, ironia do destino, o povo outrora aventureiro acaba por ser conquistado por aqueles que um dia conquistou... e obviamente, nós é que nos temos de adaptar. Mais uns aninhos e tenho a certeza que esta república será uma colónia do Brasil (pelo menos, bananas já temos). E o que dá vontade de rir (ou de chorar), é a maneira como se puseram (e continuam a pôr) a jeito. O próximo passo será sair uma lei que obrigue a falar com sotaque... caso contrário ninguém se entende.... Oi?!

Quanto a mim, vou continuar a escrever exactamente da mesma maneira. Ainda hei-de ver putos a acusarem-me de escrever com erros... Camões lhes perdoe, que eles não sabem o que fazem...

9 comentários:

Ana Margarida disse...

"Camões lhes perdoe, que eles não sabem o que fazem..." lol Muito bem! Eu também nunca me vou habituar a escrever de outra forma. Venham os acordos que vierem. Ainda por cima mudar para pior... Já reparei que muitos textos vêm escritos segundo esse tal acordo mas, mesmo assim, ainda nem acredito que isto esteja mesmo a ir para a frente... Se no meu futuro profissional me deparar com este dilema de ter de escrever "ato", ou "espetadores", acho que vou optar pelo inglês. :P

Helder Correia disse...

Nao posso concordar :) Para contradizer a logica de que a lingua de Camoes tem de ser preservada, basta ler a edicao original d'Os Lusiadas (acessivel em http://purl.pt/1). Como podem ver, a lingua de Camoes nao eh bem (nem de perto nem de longe) a mesma que aquela com que crescemos :) O que eh normal. Ainda bem que a lingua nao eh uma ferramenta estatica, que nao sofre qualquer evolucao. Se o acordo favorece mais estes ou aqueles, pouco ou nada importa. Se o acordo tem falhas, talvez. Mas que a nossa lingua precisa evoluir, tal como a de Camoes, e a de Dom Afonso Henriques, isso precisa. (este texto foi escrito ao abrigo do acordo ortografico possivel com um teclado nao portugues)

Anónimo disse...

Sou Brasileira e sempre leio o teu blog porém nao gosto da forma que se refere ao meu país...

Vera disse...

Ana: Pois... ato do verbo atar... e espetadores de espetar... Já não basta a língua portuguesa ter muito que se lhe diga a nível de interpretação de um texto, podendo tudo tomar um sentido diferente com uma simples vírgula ou acento, quero ver como será agora... Uma palavra passa dar pra tudo, e quem não sabe escrever, vai-se safando... Assim se vive no país do facilitismo...

Helder: A "evolução" nem sempre é no bom sentido. Evoluir para pior, não obrigada. E diz-me lá, num país que vai de mal a pior e nem tem ponta por onde se lhe pegue, é a língua que tem de evoluir? Para quê? Só se evoluir para o norueguês... pode ser que aí um país deveras evoluido nos adopte e isto comece a melhorar. A língua tem de evoluir porquê? Fomos desde sempre um povo hospitaleiro, e sempre recebemos emigrantes de n locais do mundo. Por essa linha de raciocínio, qualquer dia entram no dicionário palavras indianas, chinesas ou romenas. Ou seja... a língua portuguesa, se agora já está em vias de, extingue-se definitivamente. Não é a língua que tem de evoluir. O país é que tem de evoluir, em muuuuuuuitos outros aspectos. Mas lá está, perdemos demasiado tempo com coisas irrelevantes... O que interessa é ter o maior centro comercial da Europa, o maior estádio de futebol do Mundo e a maior árvore de Natal do Universo. E agora estão todos contentes por o português ter deixado de existir (o "português com sotaque" passou a chamar-se simplesmente "português"). O que interessa é que continua-se a chamar língua portuguesa. O que interessa é o nome que se lhe dá... É comer gato por lebre, como já estamos habituados...

Anónima: Peço desculpa se se sentiu ofendida com o meu post. Mas se o ler com atenção, vai reparar que eu não estou a falar mal do Brasil, mas sim de Portugal (até lhe chamo República das bananas!)... Lá está... a língua portuguesa pode ser difícil de interpretar...

james disse...

Faço finca pé ao escrever da forma "moderna" definida no acordo ortográfico.

A ideia de acordo ortográfico com vista à melhoria da língua, e uniformização, passaria em adoptar os termos correctos que são utilizados nos vários sítios onde a nossa língua ainda é falada. Não sou faccioso ao ponto de achar que só no território nacional se fala o português correcto. Existem alguns aspectos que até são utilizados de forma mais correcta, por exemplo, no Brasil. Agora não nos obriguem a ter de escrever com o contra gosto de saber que está errado!

Um dilema que se nos coloca é: Como devemos então ensinar os nossos filhos a escrever?

Anónimo disse...

Helder, ainda bem que partilhas o teu saber...é que a ignorância com que os portugueses falam das coisas sem se informarem é daquelas características que perduram e perduram...

Vera disse...

Carissimo(a) anónimo(a). O Helder não partilhou nenhum "Saber". Partilhou a "Opinião" dele... são coisas diferentes (qualquer dicionário lhe poderá tirar essa dúvida). E como qualquer opinião, ou "modo como se considera determinado tema ou questão", não é uma verdade absoluta, da mesma forma que qualquer uma das outras opiniões que foram dadas.

Mas já agora, gostava que me elucidasse com o conhecimento que, pelos vistos, deverá ter, uma vez que a informação que tenho faz-me também ter a opinião que tenho. Talvez com o seu "saber", e na posse de nova informação a consiga mudar! Só argumentos válidos (e não meras opiniões pessoais baseadas em gostos pessoais ou em favorecimentos pessoais) o poderão fazer. Ou de outra maneira, não é por gostar do Benfica, que eu vou passar a gostar também...

Se possível, também era de bom tom identificar-se. Não gostava que a falta de coragem de assumir uma posição fosse uma característica humana que perdurasse e perdurasse...

Ursinho de peluche disse...

Penso que a questão realmente importante é: Será esta evolução uma verdadeira evolução? O meu parecer é negativo, pois existirão ainda mais palavras homografas, como ato, fato, etc. O que nos trará de melhor esta nova linha de escrita? Quem foi a mente iluminada que pensou isto? Bem, tudo isto para dizer; penso que não irá vingar esta coisa do novo acordo ortográfico. A nossa língua é das mais ricas do mundo, tanto gramaticalmente como ao nível do vocabulário. Não vamos destruir isso. O fato não seria um bom ato. --> vá pensavam que O fato era de vestir :P

Aquele abraço,

Vera disse...

http://ilcao.cedilha.net/wp-content/uploads/2011/06/NunoPacheco070611.jpg

"Outras linguas, obviamente atrasadas, viraram a cara à modernização." Coitadinhas das criancinhas... lololol