segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Axa - A "Xular" Alegremente

Para que servem os seguros? Para nos protegerem contra alguma situação que pode acontecer, com alguma probabilidade. Claro que quando fazemos um seguro, esperamos sempre que essa probabilidade seja mínima, mas temos consciência que existe. Caso contrário não iamos pagar para que uma entidade nos protegesse contra algo que nunca iria acontecer! É uma garantia. No entanto, parece que há companhias de seguros que não têm esta mesma opinião.

Há um mês atrás, fui acordada em pleno dia de férias pela entrega de uma carta registada da Axa. Tratava-se de uma "denúncia de contrato" com efeitos a partir do mês seguinte, anulando o meu seguro automóvel contra todos os riscos, por decisão da companhia, após reanálise do risco. Curiosamente, a situação do contrato à data do último vencimento era "bonificação por ausência de sinistralidade"!! Como não me apeteceu gastar mais dinheiro com esta gentinha em chamadas telefónicas para pedido de esclarecimento, acabei por ir a uma agência Axa. Então, estas alminhas, acharam que os meus 690 euros anuais não eram suficientes para lhes dar lucro, tendo em conta que tive uma substituição e uma reparação do pára-brisas por quebra acidental, e uma substituição de um vidro por assalto (tudo situações para as quais não tive, obviamente, culpa). Mas a Axa acha que não lhe compete cumprir a sua obrigação de segurar os clientes. Acha portanto que deve ficar com o dinheiro só porque sim... Vendo bem as coisas, se eu tivesse guardado estes 690 euros anuais (que já foi bem mais, antes do período de bonificação), tinha pago do meu bolso os arranjos, e ainda me tinha sobrado bastante (mas, pelos vistos, não o suficiente para que a Axa pudesse encher a barriguinha). Imagino que, se tivesse um seguro de vida celebrado com esta companhia e amanhã morresse, mandar-me-iam uma carta para o cemitério com qualquer coisa como "Vá, como morreu, não queremos mais nada consigo, tá? É que não nos está a dar 100% de lucro!".

O bom disto tudo, é que vou passar a pagar menos pelas mesmas condições. É que, pelos vistos, os "inúmeros descontos" aplicados à minha prestação (segundo me informou uma mediadora da Axa há algum tempo), não deixavam de fazer com que a minha mensalidade fosse uma verdadeira roubalheira.

Só tenho pena de 2 coisas. Uma, é de estes sacanas não terem acabado o contrato há mais tempo. A outra, é de ter reparado (em vez de substituir) o pára-brisas este ano... ainda ficaram a rir-se com 610 euros do meu bolso...

4 comentários:

sofia disse...

Isto é totalmente revoltante! Eu tive recentemente problemas com a minha seguradora automóvel mas isto supera tudo!
É como dizer: "Ok, enquanto nos encheu de dinheiro sem termos de fazer o nosso trabalho gostávamos muito de a ter como cliente, agora que temos de gastar algum dinheiro consigo já não queremos."
Eu daria outro exemplo: é como ter um seguro de saúde e, quando surge um problema grave de saúde, receber uma cartinha a dizer "nós existimos para garantir ajuda nas despesas médicas quando ficar doente, mas tão doente também não, ponha-se a andar".
Se eu fosse a ti, apesar de já teres esta situação resolvida, enviava uma cartinha para o Instituto de Defesa do Consumidor e Instituto de Seguros de Portugal a pedir um parecer e a denunciar a situação.

Vera disse...

É que é isso mesmo. Só lhes interessa receber o dinheiro sem qualquer contrapartida. Quando for grande quero ter uma seguradora...

Hmmm... estou com muita vontade de fazer isso sim. Tenho é de ver como se procede. Se as pessoas começarem a reclamar quando realmente têm razão, em vez de encolherem os ombros e acharem que não adianta de nada, pode ser que as coisas comecem a mudar...

Nuno Revés disse...

Bem, adorei!! Sempre sem papas na língua e com a assertividade de sempre. Deixo-te um "like"!! =P

O problema deles, foi não terem sido coerentes na análise do risco... Uma quebra acidental de vidros não pode nem deve ser tida como um sinistro, uma vez que é uma coisa que não tem "responsável"... Isso é ponto assente na tua nova seguradora! A quebra de vidro por roubo, essa sim, pode ser considerada como um sinistro, uma vez que activa uma das coberturas do seguro. Assim sendo, um só sinistro não daria direito ao cancelamento do contrato, obviamente.

E é por causa de comportamentos como este que as seguradoras - em especial os mediadores de seguros - estão tão mal vistos no mercado. Lamentável!!

O que vale é que agora estás, vá... não com Deus, mas com um anjo! E papudo! AHAHAHAHAH

Ah, uma reclamação no ISP ou na DECO não te vai adiantar de nada. A resposta seria "são as normas internas da companhia". Quem quer, fica; quem não quer... faz como tu! =D

Beijos grandes!

Vera disse...

Sim, agora de certeza que com o anjo papudo as coisas vão correr bem melhor! lolol.

Infelizmente "as normas internas da companhia" servem pra tudo... principalmente quando é para fugirem com o rabo à seringa, e claro, só fica quem quer. Tinha piada era se ninguém ficasse! ehehe

Bjocas