terça-feira, 15 de julho de 2008

As mulheres...

Da primeira vez que vi este anúncio fartei-me de rir. A minha vontade foi de ir a correr partilhar estas gargalhadas... mas acabei por não ir a tempo... por já não fazer sentido essa partilha.

Não há dúvida que as mulheres são umas c*bras (o * pode ser substituído de acordo com a preferência por animais rastejantes ou com cornos, se bem que nenhum deles tem culpa de nada). Claro que há excepções à regra (felizmente, poucas mas boas). Mas de um modo geral, pecados mortais como a vaidade e sobretudo a inveja (até porque um leva ao outro) podem ser maioritariamente atribuídos a este sexo. Não é por nada que a 1ª mulher (a tal de Eva) fez o que fez... Já nessa altura se sabia o quão falsa e cruel pode ser uma mulher... até mesmo aquelas nas quais a fatiota de cordeiro assenta tão bem que quase parece ser delas. Essas são mesmo as piores... as que são tão dissimuladas ao ponto de conseguirem iludir (e continuar iludindo) até a alma mais perspicaz.

Nesta altura estão a dizer "deves ter muitas amigas, deves...". Pois bem. Não, não tenho muitas amigas. Tenho algumas. Não posso dizer que já tive mais, pois as que já não o são é porque nunca o foram de verdade (tendo em conta a definição da palavra "amizade"). A priori sempre me dei melhor com rapazes, é um facto. E dos meus amigOs nunca tive razão de queixa. Enquanto que o que recebi de algumas das poucas "grandes amizades" femininas que tive na vida (precisamente aquelas que eram as "melhores amizades"... as tais do disfarce de cordeiro...), foi a experiência de sofrer na pele traições que nem o meu pior inimigo seria capaz de engendrar ou desejar para mim. Por isso, e com conhecimento de causa, estou à vontade para falar. Porque sei do que falo. Já tive a inocência de pensar de outra maneira. Mas descobri que há intrigas e enredos que não acontecem só nos filmes (ou nas novelas mexicanas). São mesmo reais. Só espero não voltar a cair na armadilha. Não tenciono voltar a trincar maçãs envenenadas.

Hoje posso dizer, com toda a certeza, que quanto mais conheço as mulheres, mais eu gosto dos homens...

6 comentários:

James disse...

Bastou um pouco mais de atenção para perceber o motivo deste teu post...ou pelo menos parte do motivo.

No entanto para deixar de ser o que a 10 de Junho ainda era (está por escrito , não estou a adivinhar)...uma das tuas amiga com "disfarce de cordeiro" teve que ter um cúmplice.

A verdade é que nós homens "respeitamos" mais as nossas amizades, do que as "c*bras"! Há coisas nas quais, pelos menos a maior parte de nós, nunca trairia um amigo.

Vera disse...

És muito perspicaz...

E sim, os homens levam muito mais a sério uma amizade, talvez porque a inveja não é uma característica muito masculina...

Anónimo disse...

Não me queiram agora convencer que a amiga é que é a culpada!! Também o é, mas menos... Concordo que os homens têm um tipo de conduta diferente do nosso. Quanto ao darem uma cambalhota com a amiga da namorada, só os reles o fazem. De um ponto de vista menos emocional, foi bom teres descoberto quem tinhas verdadeiramente ao teu lado. Só espero que não tenhas demorado muito a descobrir….Um grande beijo.

Vera disse...

Aí é que te enganas. O ser "menos culpada" jamais se pode aplicar. Tanto pelas circunstâncias envolventes do caso, como, principalmente, pelo seguinte. A traição numa amizade é muito mais grave (e consequentemente muito mais dolorosa) do que uma traição num amor. Parece estranho, mas se pensarem bem, percebem que tenho razão. É que no amor (por o amor ser cego... e pouco inteligente..) muitas vezes fazem-se e perdoam-se coisas que racionalmente não teriam perdão. Uma traição numa amizade é imperdoável. Simplesmente porque traição e amizade são dois conceitos que, por definição, não se misturam. As pessoas esquecem-se que quando o amor se vai, são os amigos que ficam... Um dia acabam por perceber isso.. Pode é já ser tarde de mais e a solidão, essa, já ninguém lhes tira.

E já que falaste nessa situação da "cambalhota" (e não dizendo que neste caso particular se trate disso), e já que o post é sobre as mulheres, quem será mais culpado? O homem, que se deixa seduzir por certos encantos por pensar mais com o "outro cérebro", ou a mulher, a suposta amiga (da onça), que sabe muito bem o que está a fazer?

Aninhas disse...

Eu concordo plenamente com a Vera: a amiga tinha SEMPRE o dever de nunca se ter envolvido com ele...nem que fosse o último homem da Terra! Então se as mulheres se gabam de serem muito mais emocionais do que físicas nos relacionamentos, ela não deveria ter sido leal com a amiga?!
Claro que ambos são culpados...mas a traição de uma amizade dói muito mais!!
Desejo-te felicidades e que tenhas amigas em quem possas de facto confiar...porque as outras, acredita que irão ter a sua recompensa!! O meu lema é: o que fazemos aos outros, volta para nós em dobro, seja de bom ou de mau! Por isso...acredita que vais ter justiça...e ela também!
Beijocas

Anónimo disse...

Olha Vera pensa sempre no que te disse.... Ela nunca vai passar da m***** que sempre foi e mais tarde ou mais cedo vai pagar por tudo o que sempre fez aos outros...nomeadamente a nos as duas... nem que para isso eu tenha que dar um empurranzito ao destino!!
Bjocas e nao te preocupes quanto a perda da amiga ela nao valia mesmo nada!!!Belinha